Benefícios do MDT

 Updated Benefits graphic Oct2016 BR

1. Avaliação confiável

Para ser eficaz, qualquer sistema de tratamento deve basear-se numa avaliação sólida e num diagnóstico ou classificação precisos.

A pesquisa científica confirma a confiabilidade do sistema McKenzie1-4 e pode ajudar a melhorar ainda mais a educação formal5.

Inúmeros estudos fornecem dados sobre as taxas de prevalência, demonstram a abrangência do sistema6-8 e a validade do processo diagnóstico9,10.

2. Prognóstico precoce

Os pacientes buscam informações sobre seu prognóstico estimado11-13.

O processo de avaliação de McKenzie torna possível prever o prognóstico do paciente geralmente com 1-2 consultas14-17.

3. Foco no autotratamento 

A ênfase no autotratamento capacita o paciente e ajuda a promover um forte senso de independência. Pesquisas demonstram que pacientes que são capacitados por meio da participação em seu próprio tratamento adquirem as habilidades, o conhecimento e a confiança que resultam em resultados benéficos18.

Pesquisas adicionais mostraram que a abordagem com um programa de exercícios específico para o paciente, baseado em um sistema de classificação que monitora respostas sintomáticas e mecânicas, obtém melhores resultados do que a terapia com exercícios não específicos19,20.

4. Melhores resultados 

A avaliação MDT permite uma rápida determinação de quem se beneficiará do tratamento de acordo com os princípios de MDT21,22.

O uso de estratégias MDT mostrou-se capaz de:

  • • reduzir as taxas de cirurgia23
  • • evitar intervenções cirúrgicas24,25
  • • levar a melhores resultados do que a terapia centrada na manipulação da coluna vertebral26 ou no exercício geral27
  • • ter boa relação custo/benefício28,29

5. Prevenção de recorrência

Pacientes que foram educados no auto cuidado são capazes de iniciar o tratamento no primeiro sinal de recorrência.

Os sintomas geralmente podem ser aliviados antes de se agravarem30-32.

Referências Bibliográficas:

  1. Heidar Abady 2014
  2. Kilpikoski 2002
  3. May and Ross 2009
  4. Willis 2016
  5. Werneke 2014
  6. May and Aina 2012
  7. Hefford 2008
  8. May and Rosedale 2012
  9. Werneke 2010
  10. Apeldoorn 2016
  11. Hasenbring and Pincus 2015
  12. Schmidt 2012
  13. Ali and May 2015
  14. Edmond 2014
  15. Edmond 2010
  16. Werneke 2008
  17. Deutscher 2014
  18. Vahdat 2014
  19. Long 2004
  20. Rosedale 2014
  21. Rosedale 2014
  22. Long 2004
  23. Rasmussen 2005
  24. van Helvoirt 2014
  25. van Helvoirt 2016
  26. Petersen 2011
  27. Albert and Manniche 2012
  28. Deutscher 2014
  29. Manca 2007
  30. Larsen 2002
  31. Matsudaira 2015
  32. Udermann 2004

FULL REFERENCE LIST